Chá de Anis-Estrelado

Relaxante, calmante, indutor do sono.

O chá de anis-estrelado é saboroso e simples de preparar. Basta quebrar algumas folhinhas, duas ou três para uma xícara, e deixar em infusão na água bem quente por 5 minutos. Pode ser misturado com outros sabores e deixa um gosto doce mentolado. Um pacote, como é vendido no supermercado, dura um bom tempo. O melhor de tudo é o sono tranquilo e relaxado, muitas vezes acompanhados de sonhos agradáveis.

Anis-estrelado ou estrela-de-anis é uma planta de uso culinário e medicinal, a Illicium verum, originária da China e do Vietnã. Mas, existe outro, japonês, parecidíssimo, que é altamente tóxico – trata-se do Illicium japonicum.

Enfim, o anis-estrelado é mais uma das especiarias orientais que entrou na nossacultura medicinal e curativa desde tempos imemoriais. Esta planta cuja semente seca parece uma estrela, é rica em óleos aromáticos e seu aroma assemelha o do anis.

As duas espécies têm propriedades medicinais porém, é muito perigosa a confusão ou o usar uma pela outra (afinal é tudo anis-estrelado, não?) pois a espécie japonesa é neurotóxica e especialmente perigosa para crianças.

Uso medicinal do Illicium verum – anis-estrelado chinês

Esta especiaria tem propriedades antibacteriana, carminativa, diurética, odontálgica, estimulante e protetiva estomacal. Faz-se uso interno para tratar dores abdominaisdistúrbios digestivos e queixas como lumbago.

É frequentemente utilizada em medicinais para tratamento de distúrbios digestivos e tosse, em parte também por causa de seu sabor agradável.

O anis-estrelado é eficaz para vários distúrbios digestivos, incluindo cólicas, e pode ser administrado com segurança às crianças.

Usa-se a fruta, colhida quase madura, para mastigá-la em pequenas quantidades após as refeições, a fim de favorecer a digestão e adoçar a respiração. O fruto tem um efeito antibacteriano similar à penicilina.

Dos frutos maduros se extrai o óleo essencial e, quando secos, são usados para decocção ou para se fazer o chá. De suas sementes, faz-se um remédio homeopático, segundo informa o site Plantes for a Future.

Benefícios medicinais do anis-estrelado chinês:

  • antisséptico
  • antibacteriano
  • anti-inflamatório
  • calmante
  • digestivo
  • diurético
  • relaxante
  • indutor do sono
  • analgésico

Seu princípio ativo é tão poderoso que integra a produção do antiviral Oseltamivir ou Tamiflu.

 

Cuidados no uso do anis-estrelado (contraindicações)

óleo essencial de anis-estrelado (chinês ou japonês) é tóxico se ingerido.

Qualquer dos dois tipos de anis-estrelado tem efeitos tóxicos se usado em excesso.

O anis-estrelado japonês é neurotóxico quando usado, em chá, para crianças pequenas e, tal se verificou por conta de adulterações nos lotes do anis-chinês em venda nos mercados europeus. Portanto, todo cuidado é pouco já que as plantas são muito parecidas e, por este motivo se desaconselha a administração deste chá para bebês, apesar de ser excelente para tratar cólicas e outros desarranjos intestinais.

 

Fonte: Greenme

Óleo Essencial de Lavanda

Aromaterapia com óleo essencial de Lavanda.

A aromaterapia tem efeitos praticamente instantâneos logo depois de ser aplicada. Acalma, relaxa, modifica as vibrações do corpo e realiza um acordamento das energias. É utilizada em muitas terapias e também no Reiki, combinando a aplicação com aromas específicos para cada fim.

Neste texto você pode ter uma idéia das muitas utilidades do óleo essencial de lavanda, um dos mais conhecidos e vesáteis:

A lavanda costuma ser considerada como a essência mais útil e versátil para fins terapêuticos. Tem uma ação tônica e sedativa sobre o coração (histeria, tensão nervosa, palpitações) e diminui a pressão alta do sangue. Ela é um suave analgésico local e acalma a excitabilidade cérebro-espinhal; é famoso por suas propriedades neurossedativas e tem se mostrado valiosa em uma série de distúrbios nervosos e psicológicos, incluindo depressão, insônia, enxaqueca, histeria, tensão nervosa e paralisia. Como uma analgésica e sedativa, é muito boa para dor de cabeça.

É um tônico cardíaco e acalma os nervos do coração. Ela é muito boa para exaustão nervosa. Embora não seja realmente anti-inflamatória, a Lavanda costuma ser útil em casos de inflamação, daí seu uso em queimaduras, dermatites, eczema, psoríase, conjuntivite, cistite, diarréia, laringite e semelhantes. Na maioria dessas condições, suas propriedades antissépticas também são valiosas.

lavanda2010ml-500x500.jpgÉ boa para emissões catarrais (leucorréia, bronquite, etc) e é também um analgésico suave, acentuando, seu valor na maioria das condições acima. É boa em dificuldades e dores reumáticas e musculares, e é ingrediente eficaz de óleo de massagem, especialmente para atletas e esportistas. A lavanda é um bom antiespasmódico (asma, bronquite), carminativo e estomacal (cólica, náusea, vômito, flatulência, dispepsia), especialmente quando essas condições estão associadas com problemas nervosos e emocionais. Suas propriedades antissépticas são especialmente úteis no combate à halitose, sendo um excelente antisséptico da pele.

Pode ser usada em qualquer estado da pele (dermatite, eczema, acne, psoríase, etc.), sendo também eficaz contra determinados parasitas da pele (piolho, sarna). Tem se mostrado um remédio eficaz para alguns casos de alopecia areata e pode ser usada para todos os tipos de calvície, especialmente quando associada com problemas nervosos. Pode ser usada beneficamente em qualquer tipo de pele (oleosa, seca, sensível, acnéica) embora pareça trabalhar melhor em combinação com outras essências. É um excelente citofilático (regeneração das células da pele), e assim pode ser considerado como um agente rejuvenescedor da pele.

Essa qualidade também explica porque a lavanda é provavelmente a essência mais eficaz para queimaduras. É um desodorante agradável e eficiente. Como anti-séptico-antiflogístico-cicatrizante, a lavanda é um dos melhores óleos para se usar sobre feridas inflamadas e infectadas e sobre úlceras. O óleo de lavanda é um excelente remédio para insolação e, preparado como óleo de massagem, pode ajudar a evitar queimaduras. Contudo, não é um filtro solar ou protetor eficiente, e não é suficiente para banhos de luz solar muito intensa. A lavanda é boa para lesões ulcerosas da córnea. Ela produz hipotensão arterial e diminui a tensão sanguínea superficial. O vapor de óleo de lavanda destrói pneumococos e estreptococos hemolíticos no espaço de doze a vinte e quatro horas. Ele tem uma baixíssima toxicidade.

É um remédio eficaz para crianças, especialmente tratando-se de cólicas, excitamento nervoso, irritabilidade, debilidade geral, afecções cutâneas e infecções em geral. A lavanda é particularmente útil para infecções do ouvido, nariz e garganta, sendo usada como alternativa da camomila em otites infantis. O óleo de lavanda é útil em diversos procedimentos durante o parto. Ele propicia um parto rápido sem aumentar a severidade das contrações. Ajuda a acalmar a mãe e, como água aromática, pode ser usado como compressa refrescante para a cabeça. Pode ser usado como óleo de massagem para a parte inferior das costas (o que também diminui as dores) e em compressa quente sobre o abdome. Como emenagoga, a lavanda é boa na escassez menstrual e pode ser usada contra as cólicas. É um excelente remédio para leucorréia, usado em duchas vaginais.

A lavanda deve ser considerada sempre que haja infecção, espasmo, inflamação ou distúrbio nervoso ou emocional. Os efeitos da lavanda são normalmente enfatizados pela mistura com outras essências. Quando usar a lavanda em situações inflamatórias, use apenas baixas concentrações (menos de 1%). Em altas concentrações, ela tem um efeito estimulante sobre a circulação. Quando usado para dores musculares, torceduras e entorses, dores reumáticas, etc., use de 2% a 4%. Quando usá-la em feridas inflamadas, úlceras e estados de pele ou inflamações similares pode ser melhor misturá-la com camomila.

O banho de lavanda é refrescante, relaxante e, conforme o caso, quase sempre terapêutico. Aquece o coração, estabiliza as emoções e se constitui em um excelente banho para os que têm dificuldade para dormir.

Fonte: Phytoterápica