Todos são reikianos?

Sim!

Sim, é uma afirmação correta.

Alguns tem maior consciência e sensibilidade, conseguem por vezes promover cura em si mesmo e nos outros de formas diversas. O toque humano é poderoso: transmite e recebe energia eletromagnética e sutil. Um abraço tem seu poder de cura intensificado após 20 segundos, é quando a energia passa a poder fluir livremente entre as duas pessoas abraçadas.

Os animais domésticos manifestam esta habilidade naturalmente. Por serem seres puros em essência a energia que eles trocam com o ambiente causa bem-estar. Tanto os gatos como cachorros tem muita sensibilidade, percebem tristeza e alegria e agem na cura necessária naturalmente. Eles são reikianos naturais.

A única diferença entre alguém que não foi iniciado no Reiki e um reikiano é que este passou por um processo de sintonização na qual aprende a reconhecer, fortalecer e irradiar uma energia que está presente em todo ser vivo e é abundante no universo.

O reikiano aprende como preencher seu corpo físico e corpos sutis com a energia Reiki e através de uma transbordamento, que acontece principalmente através das mãos, ele tem a capacidade de transferir esta energia para outros.

O Reiki a chama de energia vitual universal, mas ela é reconhecida por nomes diferentes em outras tradições: prana, johrei, passe, bênção. Nomes para o mesmo fenômeno que pode ser definido apenas e de forma abrangente como Amor Incondicional.

Para tornar-se reikiano e ter maior consciência desta energia é necessário fazer cursos que são curtos e dividem-se em 3 níveis: I, II, III (A e B), no qual o III-B é o mestrado e o capacita a sintonizar outros. É importante encontrar um mestre que detenha uma linhagem, que o conecta diretamente a Mikao Usui, monge tibetano que pesquisou e redescobriu a técnica no Japão há mais de um século.

Cada nível precisa de no mínimo de 21 dias para assentar esta nova energia, mas recomenda-se que isto não seja feito com pressa. O próximo nível deve recebê-lo familiarizado com as novas percepções sobre a vida que o Reiki irá trazer naturalmente.

Nem todo reikiano precisa necessariamente atender com terapia utilizando Reiki, nem sempre este é o chamado. Muitos realizam os cursos para ter contato e aprender sobre esta misteriosa energia e não tem a intenção de trabalhar com o reiki ajudando diretamente outras pessoas o que é completamente normal.

Particularmente acho impossível não perceber que este movimento de compaixão acontece diante dos seus olhos de forma natural e torna-se mais presente. Sem notar você estará ajudando, de várias formas.

Nellynton Borim
Terapeuta Reikiano III-A
fb.com/reiki.enso

Óleo Essencial de Lavanda

Aromaterapia com óleo essencial de Lavanda.

A aromaterapia tem efeitos praticamente instantâneos logo depois de ser aplicada. Acalma, relaxa, modifica as vibrações do corpo e realiza um acordamento das energias. É utilizada em muitas terapias e também no Reiki, combinando a aplicação com aromas específicos para cada fim.

Neste texto você pode ter uma idéia das muitas utilidades do óleo essencial de lavanda, um dos mais conhecidos e vesáteis:

A lavanda costuma ser considerada como a essência mais útil e versátil para fins terapêuticos. Tem uma ação tônica e sedativa sobre o coração (histeria, tensão nervosa, palpitações) e diminui a pressão alta do sangue. Ela é um suave analgésico local e acalma a excitabilidade cérebro-espinhal; é famoso por suas propriedades neurossedativas e tem se mostrado valiosa em uma série de distúrbios nervosos e psicológicos, incluindo depressão, insônia, enxaqueca, histeria, tensão nervosa e paralisia. Como uma analgésica e sedativa, é muito boa para dor de cabeça.

É um tônico cardíaco e acalma os nervos do coração. Ela é muito boa para exaustão nervosa. Embora não seja realmente anti-inflamatória, a Lavanda costuma ser útil em casos de inflamação, daí seu uso em queimaduras, dermatites, eczema, psoríase, conjuntivite, cistite, diarréia, laringite e semelhantes. Na maioria dessas condições, suas propriedades antissépticas também são valiosas.

lavanda2010ml-500x500.jpgÉ boa para emissões catarrais (leucorréia, bronquite, etc) e é também um analgésico suave, acentuando, seu valor na maioria das condições acima. É boa em dificuldades e dores reumáticas e musculares, e é ingrediente eficaz de óleo de massagem, especialmente para atletas e esportistas. A lavanda é um bom antiespasmódico (asma, bronquite), carminativo e estomacal (cólica, náusea, vômito, flatulência, dispepsia), especialmente quando essas condições estão associadas com problemas nervosos e emocionais. Suas propriedades antissépticas são especialmente úteis no combate à halitose, sendo um excelente antisséptico da pele.

Pode ser usada em qualquer estado da pele (dermatite, eczema, acne, psoríase, etc.), sendo também eficaz contra determinados parasitas da pele (piolho, sarna). Tem se mostrado um remédio eficaz para alguns casos de alopecia areata e pode ser usada para todos os tipos de calvície, especialmente quando associada com problemas nervosos. Pode ser usada beneficamente em qualquer tipo de pele (oleosa, seca, sensível, acnéica) embora pareça trabalhar melhor em combinação com outras essências. É um excelente citofilático (regeneração das células da pele), e assim pode ser considerado como um agente rejuvenescedor da pele.

Essa qualidade também explica porque a lavanda é provavelmente a essência mais eficaz para queimaduras. É um desodorante agradável e eficiente. Como anti-séptico-antiflogístico-cicatrizante, a lavanda é um dos melhores óleos para se usar sobre feridas inflamadas e infectadas e sobre úlceras. O óleo de lavanda é um excelente remédio para insolação e, preparado como óleo de massagem, pode ajudar a evitar queimaduras. Contudo, não é um filtro solar ou protetor eficiente, e não é suficiente para banhos de luz solar muito intensa. A lavanda é boa para lesões ulcerosas da córnea. Ela produz hipotensão arterial e diminui a tensão sanguínea superficial. O vapor de óleo de lavanda destrói pneumococos e estreptococos hemolíticos no espaço de doze a vinte e quatro horas. Ele tem uma baixíssima toxicidade.

É um remédio eficaz para crianças, especialmente tratando-se de cólicas, excitamento nervoso, irritabilidade, debilidade geral, afecções cutâneas e infecções em geral. A lavanda é particularmente útil para infecções do ouvido, nariz e garganta, sendo usada como alternativa da camomila em otites infantis. O óleo de lavanda é útil em diversos procedimentos durante o parto. Ele propicia um parto rápido sem aumentar a severidade das contrações. Ajuda a acalmar a mãe e, como água aromática, pode ser usado como compressa refrescante para a cabeça. Pode ser usado como óleo de massagem para a parte inferior das costas (o que também diminui as dores) e em compressa quente sobre o abdome. Como emenagoga, a lavanda é boa na escassez menstrual e pode ser usada contra as cólicas. É um excelente remédio para leucorréia, usado em duchas vaginais.

A lavanda deve ser considerada sempre que haja infecção, espasmo, inflamação ou distúrbio nervoso ou emocional. Os efeitos da lavanda são normalmente enfatizados pela mistura com outras essências. Quando usar a lavanda em situações inflamatórias, use apenas baixas concentrações (menos de 1%). Em altas concentrações, ela tem um efeito estimulante sobre a circulação. Quando usado para dores musculares, torceduras e entorses, dores reumáticas, etc., use de 2% a 4%. Quando usá-la em feridas inflamadas, úlceras e estados de pele ou inflamações similares pode ser melhor misturá-la com camomila.

O banho de lavanda é refrescante, relaxante e, conforme o caso, quase sempre terapêutico. Aquece o coração, estabiliza as emoções e se constitui em um excelente banho para os que têm dificuldade para dormir.

Fonte: Phytoterápica